domingo


O que me leva a pensar no novo se ainda vivo o agora, e nem se quer me lembro do que já passou. Sentado, na cama, antes de dormir eu imagino, todas as noites que hoje pode ter sido meu ultimo dia. Mas ao acordar no amanhã, vejo o tão singelo dia clarear e percebo que ainda estou lá. Não hei de partir nem tão cedo, não cumpri ainda o que está destinado a mim nesse lugar. O que Ele tem pra que eu resolva por aqui é de muita importância para mim. Não posso se quer imaginar ir embora sem realizar o Seus desejos. Querendo ou não, um dia terei de partir. Mas quando esse dia chegar estarei preparado para não ser mais um entre milhões. Quero ser Eu dentre milhões. O Eu que todo mundo vai ver e reconhecer pelo nome e pelos atos, jamais pelo que tem. O homem que não sabe o valor das palavras, não sabe se quer o valor da vida. Não quero, jamais, ser reconhecido como o homem que matou o cara da esquina, nem o homem que traiu a mulher com a vizinha. Quero ser o Homem, um Homem. Não apenas por ser do sexo masculino, mas ser másculo, assumir responsabilidades e reconhecer o valor das palavras. Se digo, hei de repetir um dia. Sendo assim que Ele me faça de seu operário e que me dê tudo que mereço por tal trabalho. Que assim seja, pra sempre, Amém.




(Fotos de Seu Lunga, por Mario Pontes)
 

1 comentários:

Scarlett Benevides disse...

Seu texto é muito bom.
Já estou seguindo aqui.

Beijo
http://noscontosdefada.blogspot.com.br/

Postar um comentário

 

Copyright 2010 Descritos a Dedo.

Theme by WordpressCenter.com.
Blogger Template by Beta Templates.