terça-feira


A vida as vezes é como uma montanha russa. Agente sempre tem medo de ir a primeira vez, mas depois que vai... agente gosta e não para mais de enfrentar a fila pra ser feliz. As vezes subimos, outras estamos lá em baixo;  rápido, devagar; movimentos bruscos; pessoas bacanas do lado, as vezes pessoas chatas. Confesso que dá até vontade de vomitar em certos casos, as vezes de rir, teve dias que eu cheguei a chorar e gritar, gritar muito.
Mas aquele momento sempre acaba. A vida é como uma eterna viagem em uma montanha russa, nunca acaba. Sempre tem algo diferente, algo pra ser vivido.
Viver é caminhar para o fim, para o nosso fim. Basta nascer para saber que estamos morrendo. E o mais importante é querer estar morrendo por muito e muito tempo. E o tempo só existe para agente, coisas vivas que se importam com coisas a serem vividas e já vividas.
'A morte se pertence, deixe-a lá, quieta'. Ela sabe bem quando e como deve prosseguir. E sabe mais ainda que não devemos a esperar nunca... Até por que a vida tem pouco tempo, lá vem novamente esse tempo, mas ele também se pertence e ninguém consegue deixá-lo quieto, todo o mundo roda ao sei TIC e rodopia ao seu TAC e nesse TIC-TAC todos se enchem de preocupações e de coisas e mais coisas. As vezes se esquecendo de viver, viver as coisas simples e viver o maior tempo possível.
Viver o tempo, viver a vida, viver cada momento, cada sentimento e dar sentido a casa coisa vivida.

2 comentários:

Anônimo disse...

Anônimo disse...Olá... Sua frase (é sua mesmo?) "A morte se pertence..." Foi falada no programa Divã, da Rede Globo, que acabou de passar (terça a noite, dia 24 de maio). Achei interessante... Propercio Rezende

Mario Pontes disse...

Não, a frase realmente não é minha!
Usei-a mais como inspiração mesmo...
Obrigado pela visita!
VOLTE SEMPRE...
;D

Postar um comentário

 

Copyright 2010 Descritos a Dedo.

Theme by WordpressCenter.com.
Blogger Template by Beta Templates.