sábado


Não me lembro muito bem como eu fui parar lá. Era muito apertado. Escuro. Eu não sabia o que fazer dentro daquele lugar. No começo foi tudo bem dificil, queria mesmo era sair de lá. Era um local que me passava segurança, porém colocava medo em qualquer um, tinha umas coisas estranhas, eu me sentia estranho lá... Com o tempo fui crescendo, e o lugar me acompanhava no tamanho. Pessoas estranhas faziam caricias, eu me agitava por lá e as caricias aumentavam e alguns mais curiosos queriam me também me escutar. Mal sabia eu que iria passar mais um bom tempo por lá, e foram graças a esses meses apertados que eu conheci a pessoa mais importante de todas.
Quando estava lá, apertadinho, com medo, era ela quem contava histórias para eu descansar. Ela quem cantava  para eu sonhar. Ela, que ainda hoje me protege e me cuida sempre. Eu, em 17 anos de vida, ainda não conheci pessoa no mundo mais importante. E confesso que não estou procurando. Até por que pra mim ela é única.
Eu sei que você já sabe de quem eu estou falando! É ela mesmo. A minha Mãe.
Ha e se você achar pessoa no mundo mais importante do que Mãe, me conta tá! Essa pessoa deve ser super-hiper-mega-power-ultra perfeita.
E já te conto,
Se eu tivesse a metade do amor que minha mãe tem,
A metade da força que minha mãe tem,
A metade da coragem que minha mãe tem,
A metade da inteligência que minha mãe tem,
A metade de competência que minha mãe tem,
A metade da experiência que minha mãe tem,
A metade da paciência que minha mãe tem,
A metade da bondade que minha mãe tem,
Pode ter certeza que com todas essas metades eu seria um HOMEM COMPLETO.

0 comentários:

Postar um comentário

 

Copyright 2010 Descritos a Dedo.

Theme by WordpressCenter.com.
Blogger Template by Beta Templates.