sábado

Toda noite, eu paro na janela do quarto, e contemplo a luz da lua. Em suas fases mais belas, em suas faces mais singelas, em seus simples suspiros de amor. Da janela vejo o mundo, e me sinto mais perfeito a cada dia, a cada instante uma nova surpresa e a cada surpresa um novo amor.

A lua de longe me olha, me diz o que quero saber e sabe de todos os meus sonhos, principalmente os sonhos vivos, aqueles que ela me dá a certeza que vai acontecer. De qualquer maneira que não sei dizer, ela me inspira, ela me olha, me chama e me ama, e me resta apenar gamar a mais bela Rainha da Noite, que conduz as estrelas e nos dá luz quando há escuridão.

Quando a tristeza bata à porta, logo se vai pela janela. A lua toma de conta do céu e da janela, e consegue, do seu jeito, expulsá-la para não mais tão cedo voltar. Mas a tristeza perpetua mesmo quando não vejo a bela lua, na janela não está mais e lá no céu não consigo mirar para nenhum lugar. Isso logo passa, e quando ela volta me sinto mais feliz e satisfeito, mas já sei que ela não me abandonará jamais, ela sempre volta. E cada vez mais bela. Sincera. 

0 comentários:

Postar um comentário

 

Copyright 2010 Descritos a Dedo.

Theme by WordpressCenter.com.
Blogger Template by Beta Templates.